Escute o Prosa & Verso 115

Baixe o arquivo MP3

Músicas tocadas neste programa:
renato teixeira – rapaz caipira
raul seixas – tente outra vez
chitãozinho e xororó – beijinho doce
zezé di camargo e luciano – luar do sertão
milionário e josé rico – da vida nada se leva
sérgio reis – boiadeiro errante
almir sater – a saudade é uma estrada longa
pedro amorim e sérgio santos - brejeiro

No programa da semana passada, na viagem que fizemos pela música dos sertões brasileiros, apresentamos Renato Teixeira, que agora está voltando aqui. Hoje, dispensando as apresentações, vamos mostrar de novo este compositor e intérprete, que nos vai brindar com a música Rapaz caipira.

Nascidos em Astorga, cidade do Paraná, José Lima Sobrinho e Durval de Lima foram os nomes de batismo escolhidos pelos pais, mas Chitãozinho e Xororó foram os nomes artísticos reconhecidos pelos milhões de admiradores, do Brasil e do exterior. A paixão pela música começou cedo ouvindo o pai, “seu” Marinho - cantor e compositor - cantando com “dona” Araci, mãe da dupla. O talento dos irmãos só foi percebido por seu pai no dia em que Rosária, uma das irmãs, rasgou o caderno onde ele anotava as músicas que compunha. Foi então que a pequena dupla apareceu para ajudar, pois sabiam todas as letras e cantavam todas as músicas com afinação. Xororó fazia a primeira voz, imitando a mãe e Chitãozinho a segunda, como o pai. Das festas juninas do passado aos mega shows de hoje, os “Irmãos Lima”, primeiro nome artístico da dupla, marcam presença no cenário artístico nacional e internacional. Realmente desde o berço eles haviam nascido para cantar. Por conta deles é que se abriram as portas das rádios FMs para a música sertaneja, até então marginalizada na mídia e grandes centros urbanos, relegada à ícone do meio rural. O grande Raul Seixas foi, sem saber, a faísca que reacendeu as esperanças dos irmãos ao interpretar Tente outra vez, canção que tocou fundo em seus corações e os fizeram caminhar rumo ao sucesso. Embora não sendo propriamente u’a música sertaneja, vamos trazer Raul Seixas, só para relembrar de como o curso da história conta com o acaso para se desenrolar.

Nos seus 39 anos de carreira, Chitãozinho e Xororó se tornaram u’a marca, representando todas as evoluções que a música sertaneja atravessou nestes anos e que, com certeza, sem a dupla, a música sertaneja não seria a mesma. Foram os primeiros sertanejos a tocar em rádios FM no Brasil, os primeiros a incluir guitarras elétricas em suas músicas, os primeiros a ganhar seguidamente discos de ouro, platina e diamante com as gravações da música sertaneja, os primeiros sertanejos a ganhar dois Grammy e os únicos a ultrapassar a marca de 35 milhões de discos vendidos na carreira. Grammy é o nome do mais requintado e prestigioso prêmio da indústria musical internacional presenteado anualmente pela Academia Nacional de Artes e Ciência dos Estados Unidos. O Grammy representa para a música o que o Oscar representa para o cinema.

Outra dupla sertaneja de decolou no Brasil foi a dos também irmãos Zezé di Camargo e Luciano, retratados no filme Dois filhos de Francisco. De acordo com o filme, os dois filhos Mirosmar e Emival são incentivados pelo pai Francisco, lavrador do interior de Goiás cujo sonho aparentemente impossível é transformar dois de seus nove filhos numa famosa dupla sertaneja. Mirosmar aprendeu acordeom e Emival, violão. Para ajudar nas despesas, os meninos tocam na rodoviária, onde conhecem um empresário que consegue fazer deles um sucesso no interior do Brasil até um acidente interromper a carreira da dupla. Anos mais tarde, Mirosmar volta a cantar, vira Zezé Di Camargo, mas a fama só chega quando se junta ao outro irmão Welson (Luciano), o parceiro perfeito para concretizar a profecia de seu pai. Cantam composições de sua autoria e de outros autores, como esta do inesquecível Catulo da Paixão Cearense, que vão interpretar agora..

E por falar em dupla sertaneja, este é um estilo que, nascido no sul do país, floresceu e frutificou, dando existência a dezenas e talvez centenas de novas duplas pelo Brasil afora. Milionário e José Rico, por exemplo, nasceu da união de dois colegas migrantes do nordeste que estavam em São Paulo trabalhando na construção civil, mas que gostavam mesmo era de cantar. O nome milionário e José rico se originou na competição inicial que surgiu entre ambos, um exemplo muito bom de como a competição pode ser transformada em colaboração. E a dupla bem que deu certo.

Uma surpresa: imaginem que um dos ícones da música sertaneja esteve vinculado, no início de sua carreira, à jovem guarda… Pois é. Ele é o compositor de Coração de Papel, que vocês certamente já conhecem. Trata-se de Sérgio Reis, que afinal gravou seu primeiro disco de música sertaneja com a cantiga Menino da gaita em1972. Seguiu-se o sucesso de Menino da Porteira e várias outras canções. Seu disco O Melhor de Sérgio Reis, lançado em1981, vendeu mais de 1 milhão de cópias. Na telenovela O rei do gado, o personagem de Sérgio Reis fazia uma dupla sertaneja com o personagem de Almir Sater e a dupla era denominada na telenovela Pirilampo & Saracura, tendo gravado, inclusive, músicas para a trilha sonora. Sérgio Reis é caracterizado pelo grande chapéu de cow-boy e pelos temas ligados ao mundo dos vaqueiros.

Parceiro, como falei há pouco, de Sérgio Reis, representando na novela O rei do gado, a dupla sertaneja Pirilampo e Saracura, Almir Sater, cujo nome completo é Almir Eduardo Melke Sater nasceu em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Desde os 12 anos tocava violão e com 20 anos, saiu da cidade natal e foi estudar Direito no Rio de Janeiro. Pouco habituado à vida da cidade grande, passava horas sozinho, tocando violão. Um dia, no largo do Machado, encantou-se com o som de uma viola tocada por uma dupla mineira. Desistiu então da carreira de advogado e logo descobriu Tião Carreiro, violeiro que foi seu mestre. A vida artística do cantor e compositor Almir Sater tem sido pontuada de sucesso, pela qualidade de seu trabalho.

Boa parte das informações biográficas transmitidas neste programa encontram-se no site cifrantiga, na Enciclopédia Brasileira da Música Popular e na Wikipedia, disponíveis na internet.