Escute o Prosa & Verso 130

Baixe o arquivo MP3

Músicas tocadas neste programa:
the beatles – any time at all
banda de boca – eu só quero um xodó
silas, cremilson, elsione e zito - chalana
almir sater - benzinho
altamiro carrilho - margarida
antúlio madureira – caldo de cana
jacob do bandolim - remelexo

Um acidente ou mesmo uma doença não costuma avisar quando chega. Assim, é possível que você se depare com uma situação em que alguém de sua família esteja precisando de cuidados, mas que não seja possível encontrar imediatamente um médico. Por isso aqui vão algumas dicas para lhe ajudar a fazer alguma coisa, até que disponha de um serviço de atendimento médico.
Envenenamentos. São muitas as drogas que hoje em dia invadem a casa da gente. Pra qualquer coisinha, é um remédio, é um veneno. De tanto ouvir propaganda, a gente acaba comprando esses produtos, para usar na agricultura, nos animais domésticos e até em nós mesmos. Muitos inseticidas por aí prejudicam muito mais do que ajudam. Venenos para combater moscas e que podem provocar câncer na gente. Os chamados defensivos agrícolas, que também podem fazer mal a quem trabalha na lavoura ou a quem se alimenta com os produtos tratados com eles, os agrotóxicos. Até mesmo remédios, que podem servir para uma coisa mas que são prejudiciais para outras. Tive um professor que dizia que um remédio que não faz mal também não faz bem nenhum. Tudo isto está por aí à venda, muitas vezes só para aumentar o lucro e a riqueza dos donos das indústrias. Há também aqueles produtos que são necessários e que temos de ter em casa. Nestes casos, é preciso ter o maior cuidado para manter bem guardados os venenos e as substâncias tóxicas, que a gente tem em casa. Do mesmo modo é com os remédios. Devem ser guardados no alto, onde as crianças não possam alcançar. Se alguém vier a engolir algum dos venenos ou substâncias tóxicas, é preciso saber o que foi que engoliu, para tomar as providências. Em geral, o melhor é botar para vomitar, dando água morna com um pouco de sal e depois dar bem líquido, como chá e água de côco. Entretanto, se se tratar de querosene ou água sanitária, não se deve botar para vomitar, porque pode prejudicar mais. Deve-se, neste caso, dar bastante água filtrada. De qualquer maneira, logo a pessoa deverá ser levada a um posto para ser examinada, tendo-se o cuidado de levar junto a caixa ou vidro do veneno ou remédio que a pessoa engoliu, a fim de facilitar o trabalho do médico que atender.

Convulsões. Com o nome de convulsões, nós chamamos os ataques em que a pessoa perde a consciência e fica se batendo e espumando. Em geral as convulsões se dão em uma doença chamada epilepsia. A epilepsia é uma doença que atinge algumas partes do cérebro e que em geral é de nascença, mas outras vezes é causada por pancadas fortes na cabeça. Não pega, embora muita gente tenha a impressão errônea de que pega pela baba do doente. Epilepsia não pega porque não é causada por micróbios. Uma doença só é contagiosa quando é causada por micróbios. Os ataques, convulsões, podem ocorrer também em pessoas aparentemente sadias, quando têm febre, por exemplo. Em qualquer caso, o que se tem de fazer é proteger a pessoa para não quebrar um braço ou uma perna e sobretudo não morder a língua, porque pode até tirar um pedaço. Então, o socorro consiste em deitar a pessoa no chão, colocando um rolo de pano ou qualquer coisa macia entre os dentes, para não morder a língua. Para fazer isto, é preciso cuidado pois se facilitar o doente morde o dedo de quem está dando socorro. E morde com tanta força, que pode arrancar um pedaço. Depois da crise, o doente costuma dormir um sono profundo. Devemos deixa-lo dormir. Logo que for possível deve ser levado a um médico.

Desmaios. Desmaios, também chamados vertigens, são diferentes de convulsões. No desmaio, o paciente não se bate. Na convulsão se bate, costuma babar e às vezes se urinar. No desmaio, sente a vista escurecer, sente-se tonto e cai, às vezes perdendo os sentidos. Tem suores frios e fica pálido. Muitas coisas podem causar os desmaios. Em geral, acontecem por falta de açúcar no sangue, quando a pessoa não se alimentou bem. Este é o caso mais comum. Que se deve fazer? Em primeiro lugar, põe-se a pessoa deitada, com a cabeça baixa e as pernas no alto. Abre-se a roupa, abana-se a pessoa. Não deve ficar muita gente em volta, para não fazer abafamento. Alguém deve providenciar um café quente com açúcar ou um copo de leite, também adoçado, ou mesmo um pouco de água com açúcar pra pessoa tomar. É só o que se deve fazer, além de deixar a pessoa em um local bem arejado.

Asfixia. Em geral a asfixia é causada pela respiração de gases poluidores, em locais fechados, como uma casa de farinha com motor a gasolina ligado ou uma garagem com um carro ligado. O socorro a uma pessoa com asfixia consiste em leva-la para fora de casa, onde haja ar puro, folgar suas roupas e deixa-la respirar, sem fazer muito movimento. Às vezes é necessário fazer respiração artificial, boca a boca, mas não tenho como ensinar isto através do rádio. Isto só se ensina mostrando como se faz.

Existem situações vexatórias, verdadeiros acidentes, que podem muito bem ser evitados. Basta que estejamos atentos, prestando atenção ao que estamos fazendo, usando as ferramentas adequadas se estamos trabalhando e com os recursos de proteção, caso o trabalho exija. Serrar u’a madeira ou um pedaço de metal sem usar óculos é um tremendo vacilo. Pegar panela do fogão, tirar assadeiras do forno, sem proteger as mãos e os braços é outra imprudência. E quando estamos fazendo qualquer trabalho com material elétrico, temos que estar atentos em desligar da rede elétrica e em usar sandálias de borracha, como também as ferramentas apropriadas. Vejo pessoas trabalhando em serralherias, soldando peças de ferro, sem qualquer proteção para os olhos. Depois, vem a conjuntivite, que aliás os soldadores bem conhecem. Pilotar moto sem capacete ou usando sandálias japonesas é fazer pouco caso da saúde e até da vida. Colocar crianças menores à direção de um carro é uma irresponsabilidade que pode dar resultados desastrosos, além de ser um péssimo exemplo. Usar os dentes para abrir garrafas, para quebrar ou entortar materiais que pedem alicates, acaba sendo motivo de lamentação depois. Muitos acidentes, felizmente, podem ser remediados. Outros podem ser socorridos mas as seqüelas permanecem. Uns deles acabam resultando na morte de alguém. Aqui, mais do que nunca, se aplica o conselho de que é melhor prevenir do que remediar.

Os acidentes também têm outras modalidades. Por exemplo, duas conseqüências do sexo irresponsável são razões suficientes para se tomar uma atitude preventiva: A primeira é uma gravidez não planejada ou até indesejada. A outra é a possibilidade de contrair-se uma doença venérea ou até uma doença sistêmica transmitida sexualmente. A tal da camisinha, que não é uma invenção tão nova assim, que aliás foi experimentada desde o antigo Egito, é um recurso que nos últimos 50 anos tem sido aperfeiçoado e que está ao alcance de quase todo mundo. Existem vários modelos, vários tamanhos, várias cores e até com vários perfumes. Umas são lubrificadas e outras não. Mas todas elas são eficazes se forem usadas corretamente. E, podem crer, barram direitinho uma gravidez inoportuna e um bom número de doenças sexualmente transmissíveis. Assim evitam naturalmente muita dor de cabeça e muito aborrecimento.